Homens estão em risco de se ‘tornarem mulheres’

efeminado-grande

Cientistas alertaram que poluentes que escapam para o meio ambiente imitam o hormônio feminino estrogênio. 

Os autores afirmam que elementos químicos encontrados em embalagens de alimentos, produtos de limpeza, plásticos, esgoto e tintas causam deformações genitais, reduzem a contagem de espermas e “efeminam” os homens.

Machos de espécies de anfíbios, peixes, répteis e aves foram efeminados por exposição a compostos químicos que causam perturbações hormonais e passaram a produzir proteína de gema de ovo, que normalmente é fabricada por fêmeas, de acordo com relatório do grupo ambiental Chem Trust.

Leia toda a matéria em: http://hypescience.com/homens-estao-em-risco-de-se-tornarem-mulheres/

‘Gás do pum’ pode ajudar a tratar pressão alta, diz estudo

Sulfeto de hidrogênio, conhecido pelo mau cheiro, pode regular pressão.

Da BBC

Um gás liberado em flatulências e em “bombas de cheiro” pode desempenhar o papel de regular a pressão sangüínea, segundo um estudo da John Hopkins University publicado pela revista especializada “Science”.
Pequenas quantidade de sulfeto de hidrogênio – um gás tóxico gerado por bactérias que vivem no intestino humano – são responsáveis pelo mau cheiro de flatulências.
Mas o estudo mostra que esse gás também é produzido por uma enzima encontrada em células que revestem os vasos sangüíneos, chamada CSE, e ele teria o papel de relaxar essas veias e baixar a pressão.
As conclusões, tiradas a partir de um estudo com camundongos, podem levar a novos tratamentos para a pressão alta.

 

 Experiência

No estudo, camundongos geneticamente modificados para ter deficiência da enzima CSE apresentaram níveis de sulfeto de hidrogênio quase nulos, em comparação com camundongos normais.
Os cobaias com deficiência da enzima apresentavam pressão sanguínea cerca de 20% mais alta do que os normais, resultados comparáveis à pressão alta em humanos.
Quando os camundongos modificados receberam um remédio para relaxar as veias – metacolina – não houve diferença, indicando que o gás é responsável pelo relaxamento.
Já se sabe que outro gás, o óxido nítrico, está envolvido no controle da pressão sanguínea.
“Agora que sabemos que o sulfeto de hidrogênio tem um papel no controle da pressão, pode ser possível criar terapias com remédios que aumentem sua produção como alternativa para os atuais métodos de tratamento de hipertensão”, disse o pesquisador Solomon Snyder.
Leia mais notícias de Ciência e Saúde 

Para WWF, mundo precisará de ‘duas Terras’ para manter consumo

Relatório de ONG diz que demanda por recursos supera oferta em mais de um terço.

Da BBC

A demanda atual por recursos naturais ultrapassa em quase um terço o que o planeta tem condições de fornecer e, se continuar assim, em cerca de 30 anos o mundo precisará de duas Terras para que seja mantido o estilo de vida de seus habitantes. Essa é a conclusão da organização WWF no relatório Planeta Vivo 2008, preparado em conjunto com a Zoological Society, de Londres, e o Global Footprint Network.
De acordo com o documento, o atual nível de consumo coloca em risco a futura prosperidade do planeta com impacto no custo de alimentos, água e energia. “Se a nossa demanda por recursos do planeta continuar a aumentar no mesmo ritmo, até meados dos próximos anos 30 (década entre 2030 e 2040) nós precisaremos do equivalente a dois planetas para manter o nosso estilo de vida”, disse o diretor da WWF International, James Leape.
Os ambientalistas afirmam que o planeta está em direção a uma “crise de crédito ecológica”. “Os eventos dos últimos meses têm servido para mostrar que é uma tolice extrema viver além dos nossos meios”, disse o presidente internacional da WWF, Emeka Anyaoku. “A crise financeira global tem sido devastadora, mas não é nada comparado à recessão ecológica que estamos enfrentando”, afirmou.
Segundo Anyaoku, as perdas de cerca de US$ 2,8 trilhões sofridas pelas instituições financeiras com a crise – segundo estimativa recente do Banco da Inglaterra – são pequenas perto do equivalente a cerca de US$ 4,5 trilhões em recursos destruídos a cada ano.

 

 ‘Devedores ecológicos’

O documento afirma que mais de três quartos da população do mundo vivem em países onde os níveis de consumo ultrapassam as condições de renovação ambiental. Isso faz com que eles sejam “devedores ecológicos”, o que significa que estão usando recursos agrícolas, florestais e marítimos que possuem e ainda os de outros países para sustentá-los.
Os países com o maior impacto no planeta são os Estados Unidos e a China, que, juntos, representam cerca de 40% da pegada ecológica do mundo – que mede a quantidade de terra e água necessária para fornecer os recursos utilizados e absorver os resíduos deixados.
Já outros países, como o Brasil, são “países credores ecológicos”, já que “ainda possuem mais recursos ecológicos do que consomem”, e “exportam” sua biocapacidade para os devedores.
O relatório, divulgado bianualmente, traz dois indicadores da saúde da Terra. Um deles é o Índice Planeta Vivo, que reflete o estado dos ecossistemas do planeta.
Baseado nas populações mundiais de 1.686 espécies de vertebrados, como peixes, aves, répteis e mamíferos, esse indicador apresentou uma redução de quase 30% em apenas 35 anos.
O outro índice medido no relatório Planeta Vivo é a Pegada Ecológica, que evidencia a extensão e o tipo de demanda humana por recursos naturais e sua pressão sobre os ecossistemas. A média individual mundial é de 2,7 hectares globais por ano.
O índice recomendado no relatório para que a biocapacidade do planeta seja suficiente para garantir uma vida sustentável seria de 2,1 hectares por ano por pessoa. No entanto, a média brasileira por pessoa já supera esse patamar e está atualmente em 2,4 hectares por ano.
Leia mais notícias de Ciência e Saúde 

Cães interpretam sentimentos nos rostos de humanos, diz estudo

Animais teriam adquirido habilidade para sondar emoções das pessoas.
Pesquisa da Universidade de Lincoln, na Inglaterra.

Da EFE

Um artigo publicado hoje pela revista britânica “The Scientist” explica que, assim como os seres humanos, os cães também estudam a face de uma pessoa, começando pelo lado direito, que expressa melhor o estado emocional. 

Esse fenômeno, no entanto, ocorre apenas quando estes animais observam rostos humanos. Uma hipótese sustenta que o lado direito da face expressa melhor as emoções, o que explica o fato de ser analisado antes pelos cachorros, como fazem os humanos quando vêem alguém pela primeira vez. 

Uma equipe de cientistas da Universidade de Lincoln (Inglaterra) descobriu que os cachorros domesticados desenvolveram este comportamento possivelmente para captar a emoção dos rostos humanos. 

Os pesquisadores, liderados por Kun Guo, estudaram os movimentos dos olhos e da cabeça de 17 cães quando lhes foram mostradas imagens de rostos de pessoas, macacos, cachorros e objetos inanimados. 

Os animais olharam para a esquerda – para a metade direita do rosto – apenas quando lhes foram mostrados rostos humanos. Esta tendência se acentuou ainda mais quando a expressão facial era de aborrecimento. 

Segundo os cientistas, os cães poderiam ter aprendido este comportamento para interpretar as emoções do rosto após milhares de anos de interação com os seres humanos. 

No entanto, quando os cachorros viam uma imagem invertida, continuavam olhando a sua esquerda, algo que os humanos não fazem. 

A equipe pesquisadora explica que o lado direito do cérebro canino, que processa a informação do campo visual esquerdo, se adapta melhor à interpretação das emoções humanas que o hemisfério direito. 

Já o especialista em cães da Universidade Eötvös Loránd de Budapeste (Hungria), Adam Miklosi, disse que apesar de esta descoberta ser interessante, ainda é um mistério como os cachorros percebem os rostos das pessoas. Além disso, não existiriam evidências de que estes animais sejam capazes de reconhecer as emoções.

Leia mais notícias de Ciência e Saúde 

Pequenos traumas podem levar crianças à depressão

 

Excesso de atividades e até mordida de cão podem desencadear doença.
Sinais de depressão aparecem em 4,2% de brasileiros entre 6 e 17 anos.

Do G1, em São Paulo

cccExpressões de tristeza, desânimo e isolamento podem ser sintomas de depressão (Foto: Divulgação)

Situações que parecem corriqueiras e simples para um adulto, como o excesso de atividades, uma mordida de cachorro ou uma separação, podem levar crianças à depressão, segundo especialistas.

 

Uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), em parceria com o Instituto Ibope, em agosto deste ano, detectou os sintomas mais comuns de transtornos mentais entre as crianças e adolescentes de 6 a 17 anos. Sinais importantes de depressão aparecem em aproximadamente 4,2% das crianças e adolescentes brasileiros nessa faixa etária. 

“É importante ressaltar que os números da pesquisa não se referem, necessariamente, a crianças e adolescentes com depressão e sim a crianças e adolescentes com sintomas depressivos importantes, a ponto de levar a mãe a procurar tratamento. Parte destas crianças e adolescentes pode já ter uma depressão instalada, mas não podemos afirmar por questões metodológicas”, afirma Tatiana Moya, coordenadora do Departamento de Epidemiologia Psiquiátrica da ABP. 
       

De acordo com a psicoterapeuta Mara Pusch, da Universidade Federal de São Paulo, as formas de depressão podem ser diferentes em crianças e adolescentes. “Geralmente a depressão infantil é mais rara e, na adolescência, é mais comum, já que essa corresponde a uma fase de transição de um corpo e mente de criança para um corpo e mente de adulto. Nessa etapa da vida, a probabilidade de não aceitação de si mesmo ou auto-estima diminuída é maior”, diz. 

Algumas doenças emocionais, segundo Mara, têm componentes genéticos que podem influenciar a tendência de uma criança ou adolescente ter depressão. Ainda assim, fatores como um trauma podem desencadear transtornos mentais sérios. “Uma criança pode desenvolver a depressão por traumas que vão desde uma mordida de cachorro até a separação dos pais, que correspondem a situações de grande estresse”, diz. Segundo a especialista, há casos de bebês que, quando são afastados da mãe, podem apresentar sinais de depressão, como parar de mamar. 
                                 

Como identificar

Expressão de tristeza, desânimo para realizar atividades que antes eram prazerosas e isolamento são alguns dos sintomas que devem ser observados para detectar casos de depressão em crianças e adolescentes. “Em alguns casos esses sintomas vêm associados ao desejo de morrer do adolescente, que muitas vezes é expresso. Isso pode ser considerado um pedido de ajuda e merece a atenção dos pais”, afirma Mara. Outros sintomas que merecem atenção são a perda ou o ganho de peso sem motivo aparente e de forma muito rápida. 

Em caso de crianças e adolescentes que apresentem algum desses sintomas, a psicoterapeuta orienta que os pais procurem um pediatra, que deverá encaminhar para uma ajuda psiquiátrica ou psicológica. Vale observar o comportamento da criança na escola e em outros momentos em que ela se relaciona com os colegas. “É importante que os pais tentem descobrir o que desencadeou a depressão”, diz Mara. 

Crianças com uma intensa rotina de atividades e que moram em grandes cidades têm mais tendência a desenvolver depressão do que crianças que vivem em ambientes tranqüilos. “Um quadro de depressão não tratado na infância e na adolescência pode prejudicar o desenvolvimento global normal da criança, como o aprendizado e o desenvolvimento emocional. A doença pode também predispor a criança a um transtorno mental crônico e de difícil tratamento no adulto”, diz Tatiana, da ABP. 

Leia mais notícias de Brasil 

Cães podem ‘ler emoções’ como humanos, diz estudo

De acordo com revista, cachorros também procuram observar lado direito do rosto.

Da BBC

Cães domésticos podem ter a capacidade de avaliar as emoções humanas ao olhar para o rosto de uma pessoa da mesma forma que nós fazemos, de acordo com uma reportagem da revista New Scientist.
A conclusão é de um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Lincoln, na Inglaterra, e publicado na revista acadêmica Animal Cognition.
Segundo a reportagem da New Scientist, quando olhamos para um rosto que vemos pela primeira vez, temos a tendência de olhar primeiro à esquerda, para o lado direito do rosto da pessoa.
Isso só acontece quando olhamos para o rosto humano, e não para outros objetos. A revista diz que não há ainda uma explicação definitiva para isso, mas uma teoria é que o lado direito do rosto expressa melhor as emoções humanas.
Agora, o estudo dos pesquisadores britânicos afirma que os cães também têm o mesmo comportamento.
Rosto invertido
A equipe mostrou a 17 cães imagens de faces humanas, de cães e de macacos e também objetos inanimados.
Ao filmar os movimentos dos olhos e das cabeças dos animais, a equipe descobriu que, quando olhavam para o rosto humano, os cães também direcionavam o olhar à esquerda, para o lado direito da face.
O mesmo comportamento não foi verificado quando os cães olhavam para as outras imagens.
Segundo a reportagem, os pesquisadores sugerem que, depois de milhares de gerações de associação com os homens, os cães podem ter desenvolvido o comportamento como uma forma de identificar as emoções humanas.
No entanto, quando os cães olharam para um rosto invertido, com a testa para baixo, os animais ainda assim olhavam à esquerda. Já os seres humanos abandonam o comportamento quando estão diante da imagem de um rosto invertido.
Segundo a reportagem da New Scientist, os pesquisadores afirmam que isso não descarta a teoria de que os cães estão lendo as emoções humanas.
A explicação estaria no fato de que o lado direito do cérebro do cachorro – que processa informação do campo visual esquerdo – está melhor adaptado para interpretar a face humana e que os animais não teriam como adaptar isso.
Mistério
Ainda segundo a reportagem da New Scientist, trabalhos complementares realizados pelos pesquisadores britânicos concluíram que a tendência de olhar à esquerda entre os cães é muito mais forte quando se deparam com um rosto aparentemente bravo do que com um neutro ou feliz.
Mas nem todos pesquisadores estão convencidos de que o novo estudo oferece provas suficientes de que os cachorros podem, de fato, “ler” as emoções humanas.
O especialista Adam Miklosi, da Universidade Eotvos Loránd, em Budapeste, na Hungria, diz que o trabalho é interessante, mas que ainda é um mistério como os cães “entendem” o rosto humano.
“Os cães podem ser capazes de reconhecer o rosto do dono, mas não há evidência de que podem reconhecer a emoção facial humana”, disse Miklosi à New Scientist.

Fonte: http://www.g1.com.br 

Americana de 37 anos diz ser casada com a Torre Eiffel

Erika La Tour Eiffel convidou amigos para cerimônia realizada em Paris.
Outra mulher, que também se apega a objetos, afirma que casou com Muro de Berlim.

Erika La Tour Eiffel, 37, afirma ter se casado com a Torre Eiffel em uma cerimônia da qual participaram alguns de seus amigos. Por conta da união, a mulher que vive em São Francisco, nos EUA, inclusive mudou seu nome em cartório, diz a publicação britânica “Telegraph”, que não especificou a data do casamento.

Erika, que já serviu exército, diz também ter uma afeição especial pelo Muro de Berlim. “Eu não entendo como as pessoas podem trazer um objeto ao mundo, como se fosse uma criança, e não amá-lo”, disse. “Sou como o Muro de Berlim. Deteste-me, tente me destruir, mas estarei sempre lá, de pé.”

Erika não está sozinha. No final de maio, o “Telegraph” divulgou a história de Eija-Riitta Berliner-Mauer, uma mulher de 54 anos que vive na Suécia e diz ter se casado com o Muro de Berlim há 29 anos.

As histórias de mulheres que se apaixonam por objetos foram exibidas em um documentário da TV britânica, na última semana. Em todo o mundo, há cerca de 40 pessoas que sofrem desse mesmo problema, todas mulheres.

Jerry Brooker, psiquiatra que participou do programa, afirma que essas pessoas têm uma grande necessidade de controle. “Alguém que se apaixona por objetos pode controlar a relação da maneira como bem entender. Os objetos não vão abandoná-las. Isso é extremamente atraente para pessoas que se sentem muito solitárias”, explicou.

Fonte: www.g1.com.br