Economista prevê restrições de créditos para o próximo ano

Brasília – O primeiro semestre de 2009 será mais difícil para quem quiser fazer empréstimos ou financiar a compra de um carro ou um imóvel. Os bancos deverão exigir mais garantias, como comprovação de renda e de emprego, para diminuir o risco do empréstimo, além de reduzir os prazos de pagamento. A previsão é do economista Andrew Storfer, vice-presidente da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

No entanto, ele acredita que essas restrições não vão durar muito tempo. “Num momento como esse, pode ser que os bancos restrinjam a concessão de créditos, dificultem, queiram mais garantias. Mas isso não pode perdurar. Num prazo relativamente curto, de três quatro meses, eles terão que voltar a emprestar, porque é a essência de sua atividade”, avalia. Ele disse que os financiamentos devem voltar a ter prazos interessantes em um período de um ano.

Na concessão e crédito ao consumidor, o primeiro setor a ser afetado pela crise financeira serão os créditos de maior risco, como o crédito direto. Mas, segundo Storfer, mesmo para os créditos que têm uma garantia, como o financiamentos de imóveis e veículos, pode ser exigido um pagamento inicial maior, para que a prestação paga seja menor e o risco diminua.

Segundo ele, essas medidas são reflexo do medo do setor financeiro. “Existe hoje no mercado financeiro um medo generalizado de emprestar, de fazer um empréstimo e a capacidade de pagamento do tomador ficar comprometido e, por consequência, comprometer o resultado dos bancos”.

Para o economista, essas restrições não são boas para a economia, pois foi a oferta de crédito que possibilitou o crescimento sustentado do país nos últimos anos, permitindo o acesso da população de menor renda a bens de consumo que não conseguiriam comprar se não tivessem esses prazos mais longos. “Quando você enxuga a liquidez, reduz os prazos, exige um pagamento de uma entrada maior. Iisso implica que uma camada da população fique sem acesso a esses bens”, explica

Para os consumidores, o economista recomenda evitar compras supérfluas e fazer financiamentos a prazos mais curtos, além de procurar pagar a maior parte dos bens à vista, se for possível. “É um momento que exige atenção. Faça as coisas com bastante cuidado, não compre nada por emoção. Faça as contas, veja se é isso mesmo que precisa e o quer comprar”, diz.

Fonte: http://www.folhavitoria.com.br/site/?target=noticia&cid=3&ch=2889ea6f5bbd3f7fc265a1f35cae62c7&nid=71431

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: